O Professor do Futuro

A crise do sistema de ensino em Portugal é do conhecimento de todos e repete-se em todos os patamares da casa do ensino/educação.  Na verdade, todos reconhecem a situação e todos se propõem encontrar respostas para os problemas existentes. Todavia, os passos dados  pelo governo, pela comunidade científica e pelos encarregados de educação são, no mínimo, pouco inovadores e enfermam de vícios seculares. Numa lógica de “sacudir a água do capote”, todos procuram uma vítima a quem possam atribuir todas as culpas e que seja fácil de abater. A escola é a grande culpada por séculos de inércia e de irresponsabilidade colectiva; é preciso destruí-la. Hoje fala-se mesmo de “descolarização”. Em segundo lugar, aparecem os professores como agentes institucionais, logo  co-responsáveis pelos males atávicos de todo o sistema; sem mais, exige-se que sejam crucificados no calvário de todos os insucessos em  nome de qualquer filho de um Deus menor.

Realmente, a nossa escola, convenhamos, é velhinha de 200 anos. Apesar da sua vetusta idade, ainda ostenta no seu semblante a luminosidade da visão e do pensamento do Marquês de Pombal. O mesmo acontece na baixa pombalina da cidade de Lisboa, da qual nos orgulhamos e que queremos preservar; mas a capital de hoje seria  impensável sem as novas centralidades, as novas avenidas, os novos hipermercados, os novos espaços de lazer. É isso que a torna atractiva, graciosa, sedutora, sempre suficientemente antiga e ousadamente moderna. Todavia com a escola não se passa o mesmo. Quando pensamos nela, sentimo-nos esmagados por uma realidade que temos dificuldade de compreender e pejo de aceitar. "O problema central da escola é a sua falta de sentido, a persistente alienação face ao presente, o fechamento de quase todos os horizontes (...) Cresce hoje a sensação de inutilidade e de vazio. Alonga-se o período de passagem entre a  infância e a idade adulta, prolonga-se a dependência, cresce a sensação de ruína de referências estáveis. Sem luz no fundo do túnel escolar". (J. Matias Alves, 1999, O Sentido da Escola, in Correio da Educação, nº 17).  Na verdade, escreve ainda o pedagogo citado,  a nossa escola "mantém o mesmo mandato e a mesma organização de há 200 anos, o mesmo modo de organizar o saber, a mesma hierarquia  de saberes, o mesmo pressuposto de que é a  instância por excelência da transmissão de conhecimentos e de socialização (...)". (J. Matias Alves, 1997, Currículos e Programas do Ensino Secundário – Problemas de Perspectivas, in A Reflexão e a Revisão dos Currículos dos Ensinos Básico e Secundário, Actas de Seminário. Dossier RUMOS, nº 3, Porto: Porto Editora). Daniel Sampaio partilha da mesma opinião, ao escrever que "a escola não é estimulante e, para a maioria dos jovens, não faz o menor sentido". (D. Sampaio, 1999, Focus, Outubro, 1).

Os professores, por sua vez, sentem-se encurralados neste círculo vicioso, cruzam os braços, acomodam-se e limitam-se a manter vivo este dinossauro estranho ao nosso tempo, a merecer fazer parte do espólio de um qualquer museu que mantenha viva a cultura  de uma qualquer civilização remota.

Na generalidade, é ao professor que se atribuem todas as culpas desta situação. Ao professor nada se perdoa e nenhum estímulo ou apoio se concede. A ele se atribuem as responsabilidades de todos os fracassos, se sobrecarregam de deveres e, só raramente, se atribuem alguns parcos direitos. Pretende-se um professor invertebrado ou saco de pugilista, que não possa reagir e esteja sempre pronto a encaixar investidas e socos disparados de todos os quadrantes.

Todas as instituições fazem incidir os focos da ribalta sobre o "velho professor" e procuram encontrar um "novo docente" que seja capaz de revitalizar a escola, dando-lhe um novo sentido e uma nova capacidade de integração dos jovens na vida activa. Esquece-se, pura e simplesmente, que o professor não é nem pode vir a ser o centro das atenções do processo educativo. Esse lugar de excelência cabe, exclusivamente, ao aluno. Por ele e para ele existe a escola e tudo o demais é pessoal  envolvente que lhe deve prestar serviços de alta qualidade. Defina-se, com urgência e rigor, o perfil do jovem que a sociedade do novo século  deseja integrar na sua comunidade, e, depois, adequam-lhe os conteúdos, as metodologias e o perfil dos responsáveis por todo o processo de formação e de acompanhamento dos jovens cidadãos.

É comumente aceite por todos os técnicos de educação que a comunidade humana deve oferecer aos jovens uma formação integral, que promova o desenvolvimento harmonioso da pessoa humana. Assim, cada um dos jovens deve ser formado para a liberdade responsável, para a maturidade em ordem a tomar decisões pessoais, para a abertura ao futuro, para a flexibilidade na mudança de atitudes e na adaptação a situações novas, para a sensibilidade perante os problemas locais, regionais, nacionais e internacionais, para a originalidade pessoal apoiada numa atitude crítica e criativa, e para a realização profissional.

Além disso os jovens devem ser orientados para a solidariedade com o mundo em que estão inseridos, para a responsabilidade participativa, para o respeito pelas ideias e pela consciência dos outros, para o trabalho em grupo e para o compromisso na construção da fraternidade humana.

Por último, cremos seriamente que o perfil dos jovens não estará completo se ficar limitado  a uma visão puramente laica da vida e do mundo. A natureza humana tem sede e fome do transcendente e só ficará plenamente realizada se lhe for franqueada a abertura constante para valores superiores.

A partir do perfil que acabámos de apresentar, deverá ser delineado o tipo de professor que desejamos para formar e acompanhar os jovens do futuro, um líder que seja firme e exigente nos princípios e tolerante nas decisões. Dado este passo, poderemos acreditar na transformação da nossa escola.

Estabelecidos estes princípios e assumidos estes valores, convidámos técnicos de educação oriundos das mais diversas procedências e com as mais variadas formações, para analisarem o perfil do professor do futuro.  Referimo-nos às 4.as Jornadas Psicopedagógicas de Gaia. Contrapuseram-se visões diversificadas da vida e do mundo, esbateram-se arestas conceptuais, somaram-se consensos,  mas uma vez mais nos consciencializámos de que se trata de um filão inesgotável a carecer de novas abordagens.

Neste número da Revista Psicologia, Educação e Cultura, publicamos alguns dos trabalhos então produzidos, para que sirvam de base para outros encontros científicos e provoquem outros estudiosos a abordarem o tema. Todo o profissional de educação está vocacionado a ser sempre um professor do futuro ou está condenado a ser  um professor do passado. Como as gerações nunca se repetem, o professor tem que estar permanentemente em auto-reconversão, para poder apoiar cada aluno na turma, dar resposta às suas inquietações e ao desenvolvimento de competências nas áreas do “saber”, do “fazer” e do “ser” que a sociedade, em cada época, lhe fixa como meta.

Autor:
João de Freitas Ferreira

Mostrar # 
ESCALA DE AVALIAÇÃO DOS MÉTODOS DE ESTUDO (AME): SUA UTILIZAÇÃO NA PRÁTICA DOS PROFESSORES Autor: Clara VasconcelosUniversidade do Porto, Portugal Leandro S. AlmeidaUniversidade do Minho, Portugal 939
ESTUDAR E TRABALHAR NOUTRO PAÍS DA UNIÃO EUROPEIA :PERSPECTIVA DOS JOVENS PORTUGUESES Autor: Etienne MulletEcole Pratique des Hautes Etudes, France Félix NetoFaculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto, Portugal 614
FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UTOPIA E REALIDADE Autor: Adelino Martins Professor aposentado do Ensino Superior Politécnico, Portugal 490
IN SERVICE TRAINING FOR TEACHERS LEADINGTO INTERCULTURAL INTERVENTION Autor: Fátima RuizEscola Secundária José Régio, Vila do Conde, Portugal 471
O PROFESSOR NA ESCOLA DE HOJE UMA PERSPECTIVA CONSTRUCTIVISTA Autor: Luísa MorgadoFaculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, Portugal 472
O PROFESSOR DO FUTURO - ALGUMAS LINHAS DE REFLEXÃO Autor: Justiniano SantosM. Correia FernandesEscola Secundária Carolina Michaëlis, Portugal 568
OS PROFESSORES VISTOS POR ELES MESMOS:CARACTERÍSTICAS POSITIVAS E NEGATIVAS Autor: José H. Barros de OliveiraFaculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade do Porto, Portugal 610
PSYCHOLOGICAL INTERVENTION AND THE TEACHER:WHAT FUTURE? Autor: Carla Santos, Paula Campos, e Rosa MadureiraColégio Internato dos Carvalhos, Portugal 507
QUALIDADE NA EDUCAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS PROFESSORES Autor: Saul Neves de Jesus Departamento de Ciências da Educação e Psicologia, Universidade do Algarve, Portugal 508

Login